terça-feira, 2 de março de 2010

galhos pendidos

Edson Bueno de Camargo


domingos chuvosos
são como o pé de azaléias de meu jardim
com flores rosas e molhadas
com os galhos pendidos
pela água nas folhas


o poema estava escondido
nas asas de um anjo vagabundo
enfim se materializou


penso que a chuva está em mim
pari o poema
e não me dei conta

2 comentários:

Gerber de Sá disse...

Como comentar tais dozes de néctar poetico...!

"não creio que o poeta pari o poema! Para mim a poesia da a luz ao poeta e após jogalo no mundo o alimenta com surpleendentes momentos poeticos".
Quando se encontra a poesia na simplicidade do pesar da chuva sobre os galhos das plantas não se vive "da poesia e sim vive "na poesia"

"...não se comenta sobre o filho da poesia, se contempla".

Gerber de Sá

Rafael Medeiros dos Santos disse...

"Princípio de chuva.

Pingos grossos,

esparsos,

no

espaço.

Um golpe,

outro

e mais outro...

galope!"

Um big abraço!!!