sexta-feira, 27 de maio de 2011

mariposas



Edson Bueno de Camargo


um cão coleta seu latido
em uma lua descalça
que atravessa a rua molhada
diante de minha casa
onde o granito
a estilhaça em miríades
de pontos brancos

latido que se atreve ao brilho
luz de atrair mariposas
silício fundido e tratado
mecanismos complexos
e vácuo

não são visíveis as estrelas e vagalumes


Um comentário:

« Katyuscia Carvalho » disse...

Aqui eu me amparo, para ver e ouvir o que não se vê em estrela ou em vagalume. Mas que a poesia me diz... do brilho em pó, farelo de lua.

Tua forma de não deixar nada óbvio me fascina. É nos implícitos que o brilho se esconde.