sábado, 27 de fevereiro de 2010

nós feitos de cabelo


Edson Bueno de Camargo



criam aos poucos
uma mulher
de pés e pele
elétricos

a mão em forma de cunha
tulipa antes de abrir
sinal dos deuses
óleo que destila das pontas
(dos pelos)

dedos de pedra azul
céu turvo à tarde
de primavera que reluta o inverno

e a solidão sempre nos encontra
caminhando na rua molhada

Um comentário:

Nydia Bonetti disse...

A solidão sempre nos encontra... Que belo poema, Edson. Abraço!