sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

o cubo

Edson Bueno de Camargo


ainda o útero terroso
caminha de mãos dadas
as odes ao outro calar

ruídos acompanham o passado do vento
outra ordem das coisas
buscam asilo em teus olhos


o cubo
o feminino perdido da antiguidade
de homens que se emasculam
de modo sagrado
e emanam o sangue aspergido à terra
à maneira da menstruação das mulheres

estas sim que sempre fertilizam o chão
garantem que as sementes germinem

Um comentário:

Valdeck Almeida de Jesus disse...

Caro poeta Édson Camargo

Recebi um exemplar do seu livro "De lembranças e fórmulas mágicas" e adorei.

Chamou-me à atenção um poema intitulado "dor incômoda" pela sutileza em falar das coisas velhas que guardamos, dos rancores, das tristezas que tanto nos fazem mal... e da sugestão de mudança, de dar uma volta e seguir em frente...

Parabéns pelo excelente livro.