terça-feira, 4 de setembro de 2007

pluma

Edson Bueno de Camargo

a palavra tem o peso
que a palavra tem
pluma breve
oferece o peso de meu coração a ti

a palavra presa
contém o breviário das horas e dos dias
e a pena que não possuí o pássaro
nem ave que não,
ama

meu fígado, não meu coração, é quem ama
e seu peso não é mais que uma pluma

a pena tem o peso
que a tinta grávida de palavra tem
pássaro breve
breviário de quem ama as horas e os dias,
leve

4 comentários:

Estrela da Liberdade disse...

Caro Edson,
Descobri-o através de um blogue português (perdoe-me a falta de cultura brasileira)
Obrigada pelos seus poemas magníficos são de facto excelentes.
Jean

Jacinta disse...

Edson,

Essa viagem pela net é...
Sei lá, faz acontecer encontros inusitados. Navegando ou voando gostei de aterrisar por aqui. E de palavra em palavra vamos nos enredando nessa rede que leva a palavra como "pluma leve".
Parabéns pelo teu blog.

Jacinta Dantas

Edson Bueno de Camargo disse...

É para isto que o blogue existe, para ser um agente do acaso objetivo. O dente-de-leão soltando as sementes ao vento chegou a toda parte do mundo. Agradeço a deferência, Poesia é para ser lida e falada.

jo barranova disse...

e já fincaram raízes tão fortes que até o dente-de-leão se surpreenderia.